sexta-feira, 20 de novembro de 2009

dia da consciência negra


Zumbi dos Palmares e o Dia da Consciência Negra

Por Ricardo Barros
Neste dia 20 muitas cidades brasileiras comemorarão o Dia da Consciência Negra. Essa data não existe por acaso. Em 20 de novembro de 1695, Zumbi, principal liderança do Quilombo dos Palmares – a maior comunidade formada por escravos fugitivos das fazendas no interior de Alagoas – foi morto em uma emboscada na Serra Dois Irmãos, em Pernambuco, após liderar uma resistência que resultou no início da destruição daquela comunidade. Portanto, comemorar o Dia da Consciência Negra nessa data é uma forma de homenagear e manter viva na memória coletiva essa figura tão importante para a história do Brasil e para o povo negro em particular. Não somente a imagem do líder, mas também a sua importância na luta pela libertação da escravidão e na melhoria das condições de vida para esse povo.Mas, quem foi Zumbi?Ele teria nascido livre, em Palmares, no interior do estado de Alagoas, no ano de 1655. Capturado, foi entregue a um missionário português quando tinha aproximadamente seis anos de idade. Muito inteligente, Zumbi aprendeu rapidamente português e latim e ajudava o religioso na celebração de suas missas. Apesar dessa iniciação na cultura ocidental européia, Zumbi fugiu e foi morar em Palmares. Logo se tornou conhecido por sua destreza e astúcia, sendo considerado um ótimo estrategista militar. Em 1678, o governador da Capitania de Pernambuco, exausto do longo conflito com o Quilombo de Palmares, propôs a Ganga Zumba, líder do povoado, uma trégua: todos os escravos seriam considerados livres se aceitassem se submeter à Coroa portuguesa. Ganga Zumba logo aceitou, mas Zumbi rejeitou a proposta do governador e continuou a resistir às investidas contra o Quilombo.No dia 6 de fevereiro de 1694, após diversas tentativas de destruição do Quilombo, a capital de Palmares foi destruída e Zumbi ferido. Apunhalado numa emboscada organizada pelos bandeirantes resistiu, mas foi morto com 20 guerreiros quase dois anos após a batalha, em 20 de novembro de 1695. Teve a cabeça cortada, salgada e levada ao governador Melo e Castro. Em Recife, a cabeça foi exposta em praça pública, visando desmentir a crença da população sobre a lenda de que Zumbi era imortal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário