terça-feira, 21 de dezembro de 2010

jesus X papai noel

Para a maioria dos cristãos ele é a encarnação de Deus, o "Filho de Deus", que teria sido enviado à Terra para salvar a humanidade. Acreditam que foi crucificado, morto e sepultado, desceu à mansão dos mortos e ressuscitou no terceiro dia (na Páscoa)Para os adeptos do islamismo, Jesus é conhecido no idioma árabe como Isa (عيسى, transl. Īsā), Ibn Maryam ("Jesus, filho de Maria"). Os muçulmanos tratam-no como um grande profeta e aguardam seu retorno antes do Juízo Final. Alguns segmentos do judaísmo o consideram um profeta, outros um apóstata. A Bíblia é umas das principais fontes de informação sobre ele.Embora tenha pregado apenas em regiões próximas de onde nasceu, a província romana da Judéia, sua influência difundiu-se enormemente ao longo dos séculos após a sua morte e ressureição. Ele pode ser considerado como uma das figuras centrais da cultura ocidental.


O nome Jesus vem do hebraico ישוע (Yeshua]), que significa "Jeová (YHVH) salva. Foi também descrito por seus seguidores como Messias (do hebraico משיח (mashíach, que significa ungido e, por extensão, escolhido) cuja tradução para o grego, Χριστός (Christós), é a origem da forma portuguesa Cristo
http://pt.wikipedia.org/wiki/Jesus

Pai Natal (português europeu) ou Papai Noel (português brasileiro) ("Noël" é natal em francês) é uma figura lendária que, em muitas culturas ocidentais, traz presentes aos lares de crianças bem-comportadas na noite da Véspera de Natal, o dia 24 de dezembro, ou no Dia de São Nicolau (6 de dezembro). A lenda pode ter se baseado em parte em contos hagiográficos sobre a figura histórica de São Nicolau. Uma história quase idêntica é atribuída no folclore grego e bizantino a Basílio de Cesareia. O Dia de São Basílio, 1º de janeiro, é considerado a época de troca de presentes na Grécia.




Enquanto São Nicolau era originalmente retratado com trajes de bispo, atualmente Papai Noel é geralmente retratado como um homem rechonchudo, alegre e de barba branca trajando um casaco vermelho com gola e punho de manga brancos, calças vermelhas de bainha branca, e cinto e botas de couro preto. Essa imagem se tornou popular nos EUA e Canadá no século XIX devido à influência do caricaturista e cartunista político Thomas Nast. Essa imagem tem se mantido e reforçado por meio da música, rádio, televisão e filmes.



Conforme a lenda, Papai Noel mora no extremo norte, numa terra de neve eterna. Na versão americana, ele mora em sua casa no Polo Norte, enquanto na versão britânica frequentemente se diz que ele reside nas montanhas de Korvatunturi na Lapônia, Finlândia. Papai Noel vive com sua esposa Mamãe Noel, incontáveis elfos mágicos e oito ou nove renas voadoras. Outra lenda popular diz que ele faz uma lista de crianças ao redor do mundo, classificando-as de acordo com seu comportamento, e que entrega presentes, como brinquedos ou doces, a todos os garotos e garotas bem-comportados no mundo, e às vezes carvão às crianças malcomportadas, na noite da véspera de Natal. Papai Noel consegue esse feito anual com o auxílio de elfos, que fazem os brinquedos na oficina, e das renas que puxam o trenó.



O personagem foi inspirado em São Nicolau Taumaturgo, arcebispo de Mira na Turquia, no século IV. Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas. Foi declarado santo depois que muitos milagres lhe foram atribuídos. Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e daí correu o mundo inteiro.



Há bastante tempo existe certa oposição a que se ensine crianças a acreditar em Papai Noel. Alguns cristãos dizem que a tradição de Papai Noel desvia das origens religiosas e do propósito verdadeiro do Natal. Outros críticos sentem que Papai Noel é uma mentira elaborada e que é eticamente incorreto que os pais ensinem os filhos a crer em sua existência. Ainda outros se opõem a Papai Noel como um símbolo da comercialização do Natal, ou como uma intrusão em suas próprias tradições nacionais. Outros apontam a tradição de Noel como um bom exemplo de como as crianças podem aprender que podem ser deliberadamente enganadas pelos mais velhos, o que ajudaria a ensiná-las a ser cuidadosas em aceitar qualquer outra superstição ou crença infundada.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Papai_Noel

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

niemeyer 103

As comemorações do aniversário começam às 11h desta quarta-feira, em Niterói (RJ). O prefeito Jorge Roberto Silveira, amigo de longa data, vai inaugurar junto ao arquiteto a sede da fundação batizada com o seu nome e que integra o Caminho Niemeyer. Segundo o jornal O Fluminense, o presidente Lula e a presidente eleita Dilma Rousseff, o governador Sérgio Cabral, ministros, deputados e secretários foram convidados. Também está previsto o lançamento da oitava edição da Revista Nosso Caminho, criada há dois anos e editada com a mulher e principal assistente, Vera Lúcia, que juntos comemoram na mesma data quatro anos de casamento. Além disso, haverá um tradicional almoço com a família e amigos.


“Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein”. É assim que o gênio da arquitetura, Oscar Niemeyer, define sua paixão pela vida. Hoje, ele comemora 103 anos bem vividos. Sempre dedicado aos seus projetos, o arquiteto encontra disposição para exercer outras atividades, como ler, editar uma revista de arquitetura, arte e cultura e ainda estudar cosmologia. Niemeyer trabalha em média oito horas por dia em seu escritório.

As obras do arquiteto também podem ser admiradas em outros países. Hoje, a cidade espanhola de Avilés, nas Astúrias, inaugurará o Centro Niemeyer, espaço cultural que já está entre os maiores do mundo. O local promoverá a conferência inaugural do novo programa de educação e cultura das Nações Unidas, Destacam-se na lista de seus projetos em andamento a Biblioteca dos Países Árabes e da América do Sul, na Argélia, o Museu de Arte Contemporânea de Ponta Delgada, nos Açores, o Porto da Música, teatro para duas mil pessoas, em Rosário, Argentina, a reforma do prédio da Brahma, no Sambódromo carioca, e o aquário do Complexo Educacional e Turístico de Búzios, na Região dos Lagos fluminense.

Niemeyer costuma passar os finais de semana na casa de amigos na cidade histórica de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro. Ele aceitou o desafio de desenhar um templo católico em Itaipava.
http://www.niemeyer.org.br/

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

grupo tohll,imagem e sonho


show realizado no dia 12 de dezembro de 2010 no bourbon country,porto alegre.
http://www.grupotholl.com/

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

tom bloch

E o quarto, e o banheiro,a cozinha, cheirando a flores


Os tapetes, os espelhos, as cortinas, cheirando a flores

Essa casa é perfumada pelas lembranças dos amores

E nos trincos, prendedores, até nas chaves sinto



Nas escadas, corredores, almofadas, cheirando a flores

Na sacada, na cadeira, na chaleira, cheiro de flores

Essa casa é perfumada pelas lembranças dos amores

nos cinzeiros, nas tomadas e nas telhas de zinco



Na sala de jantar, nas garrafas do bar, nas persianas e nos pés das mesas

Liquidificador, embaixo do cobertor, pelos cantos, no chão

Pelas plantas e até mesmo no vão entre a cama e a parede

E na televisão e nas janelas, e no marco da porta, onde quer que se passe

Essa casa cheirando a flores



Essa casa é assombrada


Tom Bloch não é uma pessoa. Tom Bloch é uma banda formada em Porto Alegre - sul do Brasil - na virada de 99 para 2000. Buscando fazer música contemporânea, poprock fora dos padrões, Tom Bloch tem dois discos gravados (três, se contarmos Demo Deluxe, o EP de estréia), vários clips. Hoje, Tom Bloch é Pedro Verissimo nos vocais e Iuri Freiberger na bateria e programações.O personagem Tom Bloch saiu de um conto de um ex-integrante da banda, Gustavo Mini Bittencourt, para dar nome ao grupo de Porto Alegre .

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

picasso

Um eletricista francês aposentado e sua mulher apresentaram 271 obras nunca antes vistas nem documentadas de Pablo Picasso, com um valor estimado em pelo menos 60 milhões de euros (US$ 79,35 milhões), informou hoje(29) um administrador do patrimônio do artista espanhol. O casal manteve durante anos escondido o assombroso tesouro - que aparentemente é autêntico, mas cuja origem não está clara - em sua garagem na Riviera francesa, informou o advogado da Administração de Picasso, Jean-Jacques Neuer.




A coleção data do período mais criativo do artista, de 1900 a 1932, e inclui litografias, retratos, aquarelas e esboços, além de nove colagens cubistas estimadas em US$ 40 milhões, informou o jornal francês Libération, que divulgou hoje a descoberta.



Pierre Le Guennec, um eletricista aposentado de 71 anos que já trabalhou para Picasso, e sua mulher mostraram a Claude, filho de Picasso, e a outros administradores do patrimônio em Paris muitos dos trabalhos em setembro. Eles buscavam um certificado de autenticidade, segundo o advogado.



Pouco após a reunião, Neuer apresentou um processo em nome dos herdeiros por suposta receptação ilegal das obras. A polícia investiga como Le Guennec e sua companheira conseguiram o material. O casal diz que o próprio Picasso e sua mulher, Jacqueline, deram o conjunto, segundo um policial que pediu anonimato.



Claude Picasso, citado pelo Libération, disse que seu pai era conhecido por sua generosidade, mas sempre dedicava, datava e assinava seus presentes, pois sabia que alguns dos presenteados tentariam vender o material algum dia. "Presentear uma quantidade como esta, isso é inaudito. Não tem sentido", disse Claude Picasso, segundo o jornal. "Isso era parte de sua vida."



Para alguns, a descoberta das obras do mais renomado artista do século XX é comparável a abrir uma cápsula de tempo, ou à recente descoberta e publicação de uma autobiografia de Mark Twain, que esteve embargada durante um século.



O Museu de Arte Metropolitano de Nova York afirma que Picasso produziu mais de 20 mil obras durante sua extensa trajetória. Centenas delas foram listadas como desaparecidas, em parte pela grande produção desse artista.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

a pedra no caminho

Reproduzo abaixo trecho do livro Biografia de Um Poema ,uma das histórias compiladas pelo próprio Drummond sobre os versos de No Meio do Caminho, publicada originalmente em 1º de maio de 1948, no caderno Letras e Artes do jornal A Manhã.

Poesia até o infinito por Lygia Fagundes Telles

“- Li o livro do Carlos Drummond – ele disse. E prosseguiu com uma careta: – Horrível! Então aquilo é poesia? Eu também sou moderno, gosto dos modernos, mas assim também é demais!


- Pela primeira vez ouvi hoje alguns versos dele. Gostei muito! – confessei.

- É impossível que você tenha gostado! – retorquiu o poeta. – Ouça só esta maravilha que tive a paciência de decorar… (…) – Começou:

No meio do caminho tinha uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho

tinha uma pedra

no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento

na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me esquecerei que no meio do caminho

tinha uma pedra

tinha uma pedra no meio do caminho

no meio do caminho tinha uma pedra.

(…) Calou-se e ficou a me olhar ansiosamente. Dei uma risada:

- Não acho horrível coisa nenhuma! Acho gozado – exclamei.

O moço da gravata-borboleta tirou então do bolso alguns versos que compusera.

Leu-os. E depois disse:

- Como você acaba de ver, nos meus também não há rima nem métrica. Mas há ideia e ritmo, compreendeu? Ao passo que…

- Sim, eu sei! – interrompi-o, impaciente. Não há como um dia de mau humor para se dizer as verdades todas. Pensei naquele alexandrino e não resisti. Disse-lhe: – Mas o fato é que já esqueci sua poesia. E não esqueci e “nunca me esquecerei desse acontecimento” a que você acaba de se referir.

(…) Fui pela rua com o livro debaixo do braço e pensando em meu exame. A nota era muito baixa e isto era uma coisa aborrecida, apenas aborrecida. Mas inesquecível. Como se fosse uma pedra no sapato. No sapato não, que também era demais. Mas uma pedra no meio do caminho, bem no meio do caminho. Está claro que seria fácil contorná-la. Mas, em redor de mim, fisionomias empedernidas também iam encontrando outras pedras: um encontro desfeito por causa da garoa, uma carta que não chegou no momento desejado, uma vaga que foi preenchida por outro… Pedras, pedras, pedras. Haverá outros encontros, chegarão outras cartas, abri-se-ão muitas outras vagas. Mas a garoa caindo forte justamente naquele momento, e o carteiro passando reto, e aquele sujeito sentado num lugar que quase foi nosso… Não, esses acontecimentos nunca mais serão esquecidos.

Agora eu já não achava essa poesia gozada. Tinha um autêntico gosto de vida e era um gosto bem amargo.”

terça-feira, 23 de novembro de 2010

os irmãos lumière


Auguste Marie Louis Nicholas Lumière (Besançon, 19 de outubro de 1862 — Lyon, 10 de abril de 1954) e Louis Jean Lumière (Besançon, 5 de outubro de 1864 — Bandol, 6 de junho de 1948), os irmãos Lumière, foram os inventores do cinematógrafo (cinématographe), sendo frequentemente referidos como os pais do cinema.
Louis e Auguste eram filhos e colaboradores do industrial Antoine Lumière, fotógrafo e fabricante de películas fotográficas, proprietário da Fábrica Lumière (Usine Lumière), instalada na cidade francesa de Lyon. Antoine reformou-se em 1892, deixando a fábrica entregue aos filhos.

O cinematógrafo era uma máquina de filmar e projetor de cinema, invento que lhes tem sido atribuído mas que na verdade foi inventado por Léon Bouly, em 1892, que terá perdido a patente, de novo registada pelos Lumière a 13 de Fevereiro de 1895.

São considerados os fundadores da Sétima Arte junto com Georges Méliès, também francês, este tido como o pai do cinema de ficção. Louis e Auguste eram ambos engenheiros. Auguste ocupava-se da gerência da fábrica, fundada pelo pai. Dedicar-se-iam à actividade cinematográfica produzindo alguns documentários curtos, destinados à promoção do invento, embora acreditassem que o cinematógrafo fosse apenas um instrumento científico sem futuro comercial. Casaram-se com duas irmãs e moravam todos na mesma mansão.

A primeira projecção pública de apresentação do invento ocorreu a 28 de Dezembro de 1895 na primeira sala de cinema do mundo, o Eden, que ainda existe, situado em La Ciotat, no sudeste da França. Mas a verdadeira divulgação do cinematógrafo, com boa publicidade e entradas pagas, teve lugar no dia 28 de Dezembro do mesmo ano, em Paris, no Grand Café, situado no Boulevard des Capucines. O programa incluía dez filmes. A sessão foi inaugurada com a projecção de La Sortie de l'usine Lumière à Lyon (A Saída da Fábrica Lumière em Lyon). Méliès esteve presente e interessou-se logo pela exploração do aparelho.

Os irmãos Lumière fizeram um digressão com o cinematógrafo, em 1896, visitando Bombaim, Londres e Nova Iorque. As imagens em movimento tiveram uma forte influência na cultura popular da época: L'Arrivée d'un train en gare de la Ciotat (Chegada de um Comboio à Estação da Ciotat), filmes de actualidades, Le Déjeuner de Bébé (O Almoço do Bebé) e outros, incluindo alguns dos primeiros esboços cómicos, como L'Arroseur arrosé (O "Regador" Regado).

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

norah jones

Além de músicas do seu mais recente álbum "The fall", lançado em 2009, Jones também vai relembrar canções antigas dos seus três discos anteriores. A americana faz turnê pelo Brasil com shows no Rio de Janeiro e Porto Alegre na terça e quinta-feira, respectivamente.


Rio de Janeiro: terça-feira, às 21h .Local: Teatro Oi, Avenida Afrânio de Melo Franco 290, Leblon.


Porto Alegre: quinta-feira, às 23h . Local: Teatro Bourbon, Avenida Túlio de Rose, 80.
































segunda-feira, 8 de novembro de 2010

nós vimos 1 beatle




mais vídeos: http://www.youtube.com/user/rebellato2007

Quando Sir Paul McCartney pisou no palco do Estádio Beira-Rio, às 21h10 deste domingo, elegante como um nobre britânico, as 50 mil pessoas presentes pareciam não acreditar que estavam diante de uma lenda da música. Mais do que isso, não sabiam como reagir frente a uma figura que carrega na própria história o legado de gerações e o peso de ser uma das personalidades mais famosas e carismáticas ainda vivas. Sensível e entregue ao que faz, Paul olhou admirado a multidão de brasileiros ansiosos pela sua voz e não demorou a distribuir sorrisos.


"Paul, Paul, Paul..." era o coro entoado por crianças, adolescentes, adultos e idosos, unidos pelo mesmo sentimento de celebrar o encontro com um beatle. McCartney retribuiu da melhor forma que sabe e abriu o show com Venus and Mars, emendando Rock Show e Jet, demonstrando a mesma disposição dos tempos de adolescente, quando arrastava multidões ao lado de John Lennon, George Harrison e Ringo Star.

"Oi, tudo bem?", perguntou ele em português. "Tudo", explodiu o estádio. "Boa noite Porto Alegre, boa noite Brasil", completou o beatle, para delírio geral. Assim, de uma forma simples e envolvente, Paul conquistou a plateia na largada da apresentação. Logo em seguida, os acordes de All My Loving, a primeira música dos Beatles da turnê latina de "Up and Coming", colocaram o estádio abaixo. Sentindo calor - talvez de temperatura, talvez humano -, Paul tirou o moderno blazer roxo que escondia um tradicional suspensório e, solando por um minuto em Let Me Roll It, provou que não perdeu a majestade no ofício de roqueiro, atuando numa harmonia impecável com sua banda.

Depois, saltitando como um jovem, McCartney sentou-se ao piano e dedilhou as notas de The Long and Winding Road, uma das mais belas e sentimentais composições dos Beatles, dando início às homenagens da noite.

Lennon e Harrison, sempre presentes
Paul sabe cativar os seus fãs. Notando a presença de muitos casais de diversas idades, disse, com um sotaque engraçado: "Eu escrevi essa música para minha gatinha Linda, mas esta noite ela é para todos os namorados". Ele se referia a My Love, dedicada à sua mulher Linda McCartney, que morreu em 1998.

Com And I Love Her, arrancou mais abraços e beijos enquanto descontraía com um rebolado filmado pelas câmeras e exibido nos dois telões do palco. "Estamos gostando demais, é muito especial ouvir ele ao lado de quem a gente gosta", disse ao Terra Felipe Hulse, de Florianópolis, abraçado à namorada.

Um dos pontos altos da noite veio quando o músico mostrou que, além de lições de português, havia também aprendido algumas gírias locais ao arranhar um "bah, tchê" antes da música Blackbird, que precedeu a homenagem a John Lennon. "Eu escrevi essa música para meu amigo John", disse ele, enquanto o Beira-Rio respondia com "John, John, John...". Here Today foi cantada com respeito e carinho. Ao fundo, no telão do palco, uma imagem do planeta Terra se aproximava a uma imagem da lua, representando a união entre os amigos.

Para George Harrison, Paul disse: "Esta próxima música é para meu amigo George". Tratava-se de Something, clássico dos Beatles, acompanhada de um belo mosaico fotográfico de Harrison no telão em suas diversas fases e influências.

Mensagem de paz
Após as homenagens, Paul resolveu colocar as pessoas para dançar, tocando pela primeira vez no Brasil a canção Ob-La-Di Ob-La-Da. O Beira-Rio fervia como em dia de jogo do Internacional. Atento a todos os setores do estádio, Paul perguntava como estava indo o show, recebendo mais energia e retribuindo com frases do tipo "I got a feeling tonight".

O segundo ponto alto do espetáculo veio depois de A Day In The Life. Um imenso símbolo da paz e do amor, característico da trajetória de John Lennon, tomou conta do telão. Era a hora de todos cantarem Give Peace a Chance, batendo palmas e relembrando John outra vez.

As três próximas músicas - Let It be, Live and Let Die e Hey Jude - levaram as 50 mil pessoas ao êxtase ao intercalar momentos de escuridão e isqueiros acesos com explosões de fogos de artifício e fumaça no palco. Paul brincava, fazendo sinal de que estava surdo com tanto barulho. "Fiquei surpreso com a energia dele, a vitalidade. É de se admirar que, aos 68 anos, ele faça questão de tocar durante horas sem parar e sempre descontraído", disse o médico Hugo Antonio Fontana Filho, 30 anos.

Chamando primeiro os homens, depois as mulheres e finalmente todos a cantar Hey Jude, Paul encerrou o show e deixou o palco dando pulos. É claro que ele voltou para o primeiro bis, surpreendendo novamente ao entrar correndo com uma bandeira do Brasil e outra da Inglaterra. Irreverente, carismático e esperto, McCartney terminou de conquistar Porto Alegre quando disse "ah, eu sou gaúcho".

O primeiro bis - Day Tripper, Lady Madonna e Get Back - serviu para deixar claro que os anos fizeram bem para ele. Não houve espaço para erros e acordes tortos, pois ali estava um músico dedicado e extremamente profissional. "Lady Madonna realmente me pegou de surpresa, eu não esperava. O timbre dele é igual ao dos anos 1960", afirmou o administrador Alessandro Ribeiro, 29 anos.

No segundo bis, Paul mandou três dos maiores sucessos dos Beatles - Yesterday, Helter Skelter e Sgt. Pepper's -, encerrando seu primeiro show na América Latina da turnê "Up and Coming" com um rock puro e empolgante. Ainda teve tempo para autografar os braços de duas fãs que carregavam um cartaz no qual explicavam que tatuariam a assinatura do beatle, agradecer a todos que o ajudaram na montagem do show, rasgar elogios para sua banda e dizer "vamos embora" e "vejo vocês na próxima".

À meia-noite terminava o sonho de muitas pessoas presentes no Beira-Rio. O clima de celebração foi tão grande que não houve incidentes, reclamações e a sensação era de que momentos como esse não se repetem mais. "Quando eu desabrochei, os Beatles tocavam no rádio. Lembro que meu pai dizia que eles eram os besouros. Os Beatles marcaram a minha vida e hoje eu me emocionei com o dom do Paul de integrar todos, trazer o estádio inteiro para o mesmo show, nem sei explicar o que senti. Foi perfeito", disse Ciro Simoné, 59 anos, resumindo um pouco do que São Paulo poderá experimentar nos dias 21 e 22 de novembro.

Setlist
Venus and Mars
Rock Show
Jet
All My Loving
Letting Go
Drive My Car
Highway
Let Me Roll It
The Long and Winding Road
1985
Let Me In
My Love
I've Just Seen a Face
And I Love Her
Blackbird
Here Today
Dance Tonight
Mrs. Vanderbilt
Eleanor Rigby
Something
Sing the Changes
Band on the Run
Od-La-Di Ob-La-Da
Back in the USSR
I've Got Feeling
Paperback Writter
A Day in the Life
Let It Be
Live and Let Die
Hey Jude


Bis 1
Day Tripper
Lady Madonna
Get Back

Bis 2
Yesterday
Helter Skelter
Sgt. Pepper's / The End

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

carinho de verdade


A Campanha Carinho de Verdade, realizada pelo Projeto ViraVida, foi orquestrada pela Casanova Comunicação, Visualfarm e o cineasta Fernando Salis, com patrocínio da Petrobras.Em um ato simbólico, o Cristo Redentor abraçou, na noite do dia 19 de outubro, a causa da Campanha Carinho de Verdade: o enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes. Projeções de imagens, animações 3D, ao som da música Bachianas Brasileiras n° 7, de Villa Lobos, viabilizaram uma intervenção cinematográfica usando como plano de fundo o monumento. A proposta é que a cada 500 pessoas que se cadastrarem no site da campanha, haverá a repetição da ação.O Projeto ViraVida, formado pelo SESI e organizações parceiras, se propõe a promover a conscientização das pessoas, instituições, empresas e organizações sobre o problema da exploração sexual de crianças e adolescentes. A apresentadora Xuxa, madrinha da Campanha Carinho de Verdade, apoia a causa e estimula, por meio de um vídeo, a denúncia de casos pelos cidadãos.As redes sociais serão espaços para a “viralização” das mensagens. Dessa forma, os internautas contribuem para a divulgação do vídeo e compartilhamento de conteúdos

domingo, 17 de outubro de 2010

gotan project em porto alegre



foi sexta passada no teatro do sesi,foi de arrepiar.
mais videos do show: http://www.youtube.com/user/rebellato2007

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

imagine lennon setentão

No aeroporto de Heathrow, a empregada míope de uma companhia aérea estrangeira pega o passaporte e lê a meia voz, com um sorriso discreto:

— John Winston Ono Lennon. Engraçado... O senhor tem o mesmo nome do John Lennon. É uma homenagem a ele?

E o passageiro grisalho, de cabelos curtos, com o british humour que aperfeiçoou ao longo do tempo:

— Sim. Meus pais eram fãs dos Beatles, mas eu gosto mais dos Rolling Stones...

O diálogo soa um tanto fantasioso mas bem que poderia acontecer, neste 2010 em que o ídolo chegaria aos 70 anos de idade, como um dos maiores e mais expressivos nomes da pop music internacional, amado por milhões de pessoas em todo o mundo.

Comecemos por lembrá-lo a partir de Liverpool, cidade localizada ao norte da Inglaterra. Entre os pontos de interesse turístico, o mais visitado é a casa onde, por 17 anos, viveu John Lennon (Mendips, 251 Menlove Avenue, Woolton). São várias as histórias sobre a infância do menino criado pela tia, apaixonado por música e chá inglês. Anedotas contadas com muita animação pelos guias que diariamente recebem centenas de fãs dos Beatles.

O que se sucede a partir de então é ainda mais conhecido. A amizade e a luminosa parceria com Paul McCartney, o sucesso, a histeria das garotas... Em seguida, o casamento com Yoko Ono e a dissolução do conjunto que revolucionou a música (dois fatos que estariam intimamente ligados, segundo alguns).

A morte de Lennon, em dezembro de 1980, choca o mundo pela violência com que acontece, quando o psicopata Mark Chapman assassina a figura que tanto admira, como fazem aqueles que doentiamente destroem o objeto da paixão. Era o fim do músico e o começo do mito, um herói segundo o modelo que a Grécia nos legou. Assim como outras personalidades que entrariam para a História − Marilyn Monroe, James Dean, a Princesa Diana −, John Lennon deixou a vida de forma prematura e trágica, imortalizando-se como eternamente jovem, no imaginário daqueles que o cultuam.

Bem que o músico poderia ser hoje um saudável setentão. Pensar em como viveria é celebrá-lo como a grande lenda em que se transformou: teríamos um álbum por ano? Inúmeros concertos ao redor do globo

Um revival com os sobreviventes dos Beatles? John estaria magro, em forma, com os cabelos ainda longos? Ainda casado com Yoko?

Por falar nela…

Em uma entrevista concedida ao jornal inglês Daily Mirror neste fim de semana, a viúva crê que o marido vibraria com as inúmeras possibilidades de comunicação trazidas pela Internet. Yoko garantiu: Lennon defenderia a paz por meio de blogs, e teria, com certeza, um twitter. Alguma coisa como: proteste contra a política externa dos Estados Unidos em 140 caracteres. Será?

Para os fãs mais apaixonados, difícil imaginá-lo sem a aura mitológica. Mas pode ser que Lennon se estivesse cansado e, por consequência, afastado da roda viva musical. Recusaria todas as propostas de shows ou participações em programas de tevê. Talvez se sentisse esgotado e entediado. E seria um dos poucos ídolos a nunca ter-se sentado no sofá da Oprah...

A verdade é que quase trinta anos após a fatídica noite em frente ao Dakota Building, John Lennon permanece vivo na música que deixou. As celebrações dos 70 anos presentearam os fãs com o relançamento de oito álbuns do compositor e cantor e lhe renderam homenagens por todo o mundo. Em Liverpool, os shows que começaram neste fim de semana seguem até 8 de dezembro, data da morte de Lennon.

Tão forte quando o seu legado na música é a força da imaginação de pessoas do mundo inteiro, que ao se lembrarem do beatle mais famoso e mais polêmico, tomaram neste 9 de outubro um minuto para pensar: “Imagine como estaria hoje o John Lennon setentão”…
Mariana Caminha



Mariana Caminha é formada em Letras pela UnB e em jornalismo pelo UniCEUB. Fez mestrado em Televisão na Nottingham Trent University, Inglaterra.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

ute lemper em porto alegre


Foi ótimo o show de encerramento do porto alegre em cena 2010.
No repertório composições de Astor Piazzola, Tom Waits, Elvis Costello, Philip Glass e Nick Cave, além de obras do cabaré alemão e clássicos franceses. A cantora veio acompanhada do piano de Werner Gierig e do bandoneon de Tito Castro.

sábado, 25 de setembro de 2010

últimos 10 dias


De hoje à data da eleição teremos dez dias de manchetes nos jornais e duas edições da Veja. Não sei até quando podem ser publicadas as pesquisas sobre intenção de voto, mas até a última publicação - aquela que, segundo os céticos, é a mais confiável, pois é a que garante a credibilidade e o futuro dos pesquisadores - veremos uma corrida emocionante: o noticiário perseguindo os índices da Dilma para tentar derrubá-los antes da chegada, no dia 3. O prêmio, se conseguirem, será um segundo turno. Se não conseguirem a única dúvida que restará será: se diz a presidente ou a presidenta?


Até agora as notícias de corrupção na Casa Civil não afetaram os índices da Dilma. Estou escrevendo na terça, talvez as últimas pesquisas mostrem um efeito retardado. Mas ainda faltam dez dias de manchetes e duas edições da Veja, quem sabe o que virá por aí? O governo Lula tem um bom retrospecto na sua competição com o noticiário. A popularidade do Lula não só resistiu a tudo, inclusive às mancadas e aos impropérios do próprio Lula, como cresceu com os oito anos de denúncias e noticiário negativo. Desde UDN x Getúlio nenhum presidente brasileiro foi tão atacado e denunciado quanto Lula. Desde sempre, nenhum presidente brasileiro acabou seu mandato tão bem cotado.

Acrescente-se ao paradoxo o fato de que o eleitorado brasileiro é tradicionalmente, às vezes simplisticamente, moralista. Elegeu Jânio para varrer a sujeira do governo Juscelino, elegeu Collor para acabar com os marajás, aplaudiu a queda do Collor por corrupção presumida e houve até quem pedisse o impedimento do Itamar por proximidade temerária com calcinha transparente. Mas o moralismo tornou-se politicamente irrelevante com Lula e, por tabela, para os índices da Dilma. É improvável que volte a ser decisivo em dez dias. Mas nunca se sabe. O que talvez precise ser revisado, depois dos oito anos do Lula e depois destas eleições, quando a poeira baixar, seja o conceito da imprensa como formadora de opiniões.


Mas a corrida dos dez dias começa hoje e seu resultado ninguém pode prever com certeza. Virá alguma bomba de fragmentação de última hora ou tudo que poderia explodir já explodiu? O que prevalecerá no final, os índices inalterados da Dilma ou o noticiário? Faça a sua aposta.

Artigo de Luis Fernando Veríssimo publicado 23/09/2010 no jornal O Estado de S.Paulo

terça-feira, 21 de setembro de 2010

cuando un amigo se va ....



Beto Satragni
21/09/10 - 00:50

Murió ayer a los 55 años. El bajista uruguayo había fundado la banda Raíces con Calamaro, a fines de los ‘70, y formó parte de Spinetta Jade. Groove, candombe y jazz eléctrico.
La música nunca se fue de mi lado. Siempre que pude tocar, lo hice, declaraba como una especie de principio innegociable Luis Alberto Beto Satragni, cuando, un par de años atrás, se preparaba para volver a tocar, en una tercera etapa con sus viejos compañeros de Raíces. Banda que creó en 1977, en complicidad con Roberto Valencia, y que definió el punto de partida de una nuevo tipo de vínculo entre el candombe y el rock.


Es que, desde su bajo, el músico uruguayo plantó bandera ni bien cruzó el río, cuatro años antes, y defendió un sonido arraigado en el Río de la Plata. Primero, como parte de la banda de Moris, “gran maestro del rock argentino”. Luego, como acompañante de una lista de colegas, a la que el tiempo le sumaría nombres propios de estas tierras, y del otro lado del charco más grande.


“Hablamos de una música latinoamericana que deje de esperar lo último de afuera”, disparaba Beto en los comienzos de los ‘80, que presagiaban un pop descontraturado como banda sonora de la post Dictadura.


Para entonces, Satragni ya había registrado B.O.V.Dombe (1978) y Los habitantes de la rutina (1980), ambos con su banda, y ya había formado parte de Spinetta Jade, grupo al que se incorporó en reemplazo de un adolescente Pedro Aznar, que ponía proa a Seru Giran.



Alcanza con escuchar los primeros tramos de Amenábar, o las líneas que construía en Digital Ayatollah, ambos de Alma de diamante, álbum debut de la banda liderada por Luis Alberto, para entender de qué la iba su idea sonora. Una combinación de groove eterno con la melodía ahí, siempre a mano. De jazz moderno con sangre morena. De sutileza y potencia a la par.
Junto a Oscar Moro, uno de sus amigos de sus primeras horas porteñas, parió Moro-Satragni, con la participación, entre otros, de Spinetta, David Lebón, Lito Epumer y Charly García, quien aportó Cómo me gustaría ser negro. Una reivindicación de la negritud que el bajista sostuvo desde el incio de su carrera discográfica, con Esto es candombe.


Después, vendrían El 60, proyecto compartido con Héctor Starc, Fernando Marrone y Juan García Haymmes, y múltiples colaboraciones que lo harían compartir escenarios y estudios con Litto Nebbia, Dino Saluzzi, León Gieco, Miguel Abuelo, David Lebón, el vasco Mezo Bigarrena y sus compatriotas Rubén Rada y Jaime Roos, entre otros artistas.


Pero sin perder jamás de vista su tarea de difusor de su género de origen. “Cuando en la década del ‘70 llegué a la Argentina, hablar de candombe era decir quilombo; realmente se sabía muy poco”, contaba en una entrevista, en 1996, a poco de haber iniciado el segundo período de la banda que había creado con Jimmy Santos, Raúl Cuadro, Alberto Bengolea y Valencia, más tarde reemplazado por un jovencísimo Andrés Calamaro. El resultado fue la edición, en 1995, de Empalme, sucesor del EP Ey Bo Road de 1987.


“Yo siempre a los músicos trato de hacerles escuchar candombe. A muchos de ellos les muestro cosas de Raíces, y también de Eduardo Mateo, muy venerado por todos los músicos uruguayos”, explicaba en la misma charla.


En 2006, decidió volver a radicarse en Canelones, la ciudad oriental en la que había nacido hace 55 años. Allí armó el grupo “Montevideo Grouve”, junto a Nicolás Mora, Martín Georgieff, su mujer, Silvina Gómez y Gustavo Ecthenique.


Satragni le hizo honor a su declaración inicial, y siguió poniendole dedos al largo mástil de su bajo. Fue con Montevideo Grouve. O junto a Panchito Nolé, los hermanos Hugo y Oscar Fattoruso. Con el Negro Rada. O sus viejos compañeros de Raíces, con los que dos años atrás entraron nuevamente a un estudio, con apoyo de Nebbia y Calamaro como invitado, para dar a luz a 30 años, el último registro discográfico de la banda creada en el ‘77. En Uruguay, en Europa o en Buenos Aires, donde hace menos de un mes tocó por última vez, en el Teatro de La Cova.


Después, el cáncer lo obligó a internarse en el Hospital de Clínicas de Montevideo, donde murió poco después de las 23 horas del domingo. Ayer, sus restos fueron trasladados a su ciudad natal, a la que se acercaron familiares, amigos y muchos músicos, entre ellos Rubén Rada, Morales Urbano y Rano Sarbach, para darle la última despedida.
http://www.clarin.com/espectaculos/Beto-Satragni_0_339566225.html

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

já ganhou.....


O humorista Tiririca, candidato do PR a uma cadeira na Câmara Federal, foi um dos que mais arrecadou verba para a campanha eleitoral, segundo declaração ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Francisco Everardo Oliveira SIlva, o Tiririca, encheu o cofrinho com R$ 593,9 mil. Muitos colegas de partido ficaram com pouco dinheiro. O cantor Aguinaldo Timóteo, que também disputa uma vaga em Brasília, declarou ter recebido R$ 184 mil. Já o também humorista Juca Chaves, ou Jurandir Czaczkes Chaves, obteve apenas R$ 1,2 mil.A verba de Tiririca foi praticamente toda bancada pelo partido, o PR. Foram R$ 516 mil, o que demonstra que a legenda aposta no humorista como puxador de votos.
Faça a comparação com outros partidos e candidatos: O tucano Walter Feldman, segundo sua declaração ao TRE, conseguiu R$ 346 mil. Ivan Valente, do Psol, R$ 89,4 mil e o petista Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e da CUT, ficou com R$ 267,2 mil. E até o dinossauro Paulo Maluf (PP) ficou abaixo de Tiririca, com R$ 146,9 mil.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

stacey kent em porto alegre

A cantora americana Stacey Kent traz a turnê do seu mais recente trabalho, Raconte-Moi, gravado inteiramente em francês. Stacey esteve no Brasil pela primeira vez em 2008.14 de setembro às 21h3

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

terça-feira, 7 de setembro de 2010

o mito


Rogério Ceni: a história de um mito e seus 20 anos de trabalho e dedicação
Títulos, recordes e a adoração cada vez maior da torcida. Após vencer a maior lesão da carreira, goleiro comemora marca jogando o fino da bola
Um mito debaixo das traves. Uma máquina de conquistar títulos e quebrar recordes. No São Paulo, ninguém tem números tão expressivos quanto Rogério Ceni. Jogador com maior número de partidas disputadas (924), com o maior número de títulos oficiais conquistados (14), maior artilheiro do clube na história da Taça Libertadores da América (11 gols) e recordista de minutos sem tomar gols no Campeonato Brasileiro (988).
Os recordes se estendem para longe do Morumbi, afinal Rogério é o maior goleiro artilheiro do mundo (90 gols), recordista de jogos no Campeonato Brasileiro (403), foi eleito o craque do Nacional de 2007 e se tornou o único a jogador da América do Sul, em toda a história, a ter participado da eleição final da revista France Football para a eleição da Bola de Ouro (melhor jogador do mundo). Terminou na 27ª colocação na temporada 2007.
Nesta terça-feira, o paranaense de Pato Branco, aos 37 anos, marido de Sandra e pai das gêmeas Clara e Beatriz, hoje com cinco anos, escreverá o capítulo mais nobre de sua história como jogador ao completar 20 anos no clube do Morumbi. Ou, como o próprio camisa 1 diz, a sua segunda casa.
- Eu só tenho a agradecer, principalmente porque o São Paulo é uma extensão da minha vida. Como minha esposa, minhas filhas, tudo que conquistei devo a esse clube. Agradeço ao São Paulo porque todos trabalham para esse clube ser cada vez maior. São 20 anos de muito trabalho, de um trabalho que cada vez me dá mais prazer. Faço tudo aqui com muito carinho, com muito amor – lembrou o jogador, emocionado após receber a placa da diretoria na manhã da última segunda-feira, no salão nobre do estádio do Morumbi.

sábado, 4 de setembro de 2010

quem foi andré luiz?







Dele sabe-se apenas que foi médico sanitarista, , e que exerceu sua profissão no Rio de Janeiro, Brasil. Segundo suas próprias palavras, optou pelo anonimato, quando da decisão de enviar notícias do além-túmulo, por compreender que "a existência humana apresenta grande maioria de vasos frágeis, que não podem conter ainda toda a verdade".
http://www.institutoandreluiz.org/andreluiz.html

Logo depois que chegamos, Chico e o médico passaram a dialogar sobre a figura do prof. dr. Carlos Chagas (1879-1934), médico e cientista brasileiro que se tornou célebre por estabelecer, sozinho e simultaneamente, a etiologia, características patológicas e prevenção de uma nova e grave enfermidade, que em sua homenagem foi denominada doença de Chagas.
A certa altura da conversa, Chico abordou uma questão, que muito me surpreendeu, pois o seu esclarecimento nunca havia sido divulgado. Nesse momento, passamos a anotar a sua fala, como sempre fazíamos, eu e minha esposa, quando ouvíamos algo mais interessante do querido médium. Contou-nos, então, com naturalidade, que, ao terminar a psicografia do livro Nosso Lar, esperava que o seu autor usasse o seu próprio nome da última encarnação. Mas, para sua surpresa, certa noite, estando em desdobramento espiritual, mantendo um diálogo com dr. Chagas, foi informado de que, para não criar problemas ao médium, ele usaria um pseudônimo. E, dentro de um ano, Chico entenderia melhor essa decisão.
A seguir, Chico perguntou-lhe qual pseudônimo ele usaria. Então o autor olhou para o irmão do médium, chamado André Luiz, que dormia na cama ao lado, e disse-lhe que usaria o nome dele. E assim foi feito.
A primeira edição do Nosso Lar foi lançada, pela FEB, em 1944, com prefácio de Emmanuel, datado de 3 de outubro de 1943. E o que aconteceria no próximo ano?
Em 1944, a sra. viúva do renomado escritor Humberto de Campos (1886-1935) pleiteou na Justiça os direitos autorais das obras mediúnicas de Humberto de Campos (espírito) recebidas por Francisco C. Xavier e editadas pela FEB. Surgiu, então, “o caso Humberto de Campos”, caracterizado como escândalo pela grande imprensa. A propósito, disse-nos o Chico: “Foi horrível por causa do alarme da imprensa.” (Ver depoimento do médium em Chico Xavier – o Apóstolo da Fé, Carlos A. Baccelli, LEEPP, 2002, cap. Chico, 89 primaveras!)
Após longa trajetória, o processo chegou ao fim com a absolvição dos réus: o médium e a editora. A partir dessa época, Humberto de Campos, espírito, passou a usar o pseudônimo de Irmão X em seus livros psicografados.
Portanto, é fácil entender a preocupação do dr. Carlos Chagas (André Luiz) em não se identificar como autor de Nosso Lar, que, segundo a programação superior, representava o marco inicial de uma longa série de livros. Era necessário que, além do pseudônimo, o autor espiritual não fosse, de forma alguma, identificado, graças à providência de truncar dados de sua vida, sem afetar o elevado conteúdo da obra.
http://www.folhaespirita.com.br/v2/index.php?q=node/432






Carlos Justiniano Ribeiro Chagas (Oliveira, 9 de julho de 1879Rio de Janeiro, 8 de novembro de 1934) foi um médico sanitarista, cientista e bacteriologista brasileiro, que trabalhou como clínico e pesquisador. Atuante na saúde pública do Brasil, iniciou sua carreira no combate à malária. Destacou-se ao descobrir o protozoário Trypanosoma cruzi (cujo nome foi uma homenagem ao seu amigo Oswaldo Cruz) e a tripanossomíase americana, conhecida como doença de Chagas. Ele foi o primeiro e o único cientista na história da medicina a descrever completamente uma doença infecciosa: o patógeno, o vetor (Triatominae), os hospedeiros, as manifestações clínicas e a epidemiologia.
Foi diversas vezes laureado com
prêmios de instituições do mundo inteiro, sendo as principais como membro honorário da Academia Brasileira de Medicina e doutor honoris causa da Universidade de Harvard e Universidade de Paris. Também trabalhou no combate à leptospirose e às doenças venéreas, além de ter sido o segundo diretor do Instituto Oswaldo Cruz.



quinta-feira, 26 de agosto de 2010

morre baleia




Apesar das tentativas, não foi possível salvar a baleia jubarte, que esteve encalhada desde domingo em Capão Novo, no litoral norte gaúcho. O animal havia sido solto na terça-feira. no dia seguinte, voltou a encalhar na praia com estado de saúde debilitado. A morte foi confirmada no início da noite desta quinta-feira por biólogos do Ceclimar.O corpo será retirado da água nas próximas horas.Amanhã será coletado material para análise,o que deve ajudar a apontar a causa.
Jubarte deve ser enterrada na beira da praia de Capão Novo
Ossada da baleia ficará com a equipe do Ceclimar
O corpo da baleia jubarte, que morreu encalhada na praia de Capão Novo, passará a noite dentro do mar. Por volta das 7h desta sexta-feira, uma retroescavadeira da prefeitura de Capão da Canoa será usada para puxar o animal até um ponto na areia, onde será realizada necropsia. A análise deverá ajudar a identificar a causa da morte e o motivo que fez com que a jubarte ficasse presa nesse ponto do litoral gaúcho. Segundo o coordenador do centro de pesquisas do Instituto Baleia Jubarte, Milton Marcondes, ao mesmo tempo em que o corpo for sendo cortado, as equipes irão enterrar as partes em uma área na areia além da linha da maré, em buracos bastante profundos, para que não haja risco de contaminação. O veterinário salienta que a ossada será preservada. — O pessoal do Ceclimar pediu para ficar com a ossada, para depois montar o esqueleto. A carcaça ficará dentro do mar até a manhã de sexta por causa da temperatura da água, que ajuda na preservação. E o procedimento será de ir cortando o corpo para necropsia, enquanto as partes serão enterradas na areia — explicou Marcondes. De acordo com o veterinário, a morte da baleia jubarte foi confirmada por volta das 18h. Mesmo depois do anúncio, cerca de meia hora antes, as equipes ainda ficaram verificando os sinais vitais. — Nós percebemos que ela parou de respirar. Mas a baleia, dentro da água, chega a ficar até 15 minutos nessa condição. Então eu tive que me aproximar da cabeça e fazer um teste encostando a mão no olho da baleia. Depois que constatamos que não havia reflexo, fechando ou mexendo o olho, eu tive certeza que havia morrido — relatou Milton Marcondes. Tristeza e aprendizadoAs operações para tentar salvar a baleia mobilizaram equipes de diversos órgãos ambientais, pesquisadores, estudantes e populares. A jubarte de 25 toneladas e cerca de 11 metros encalhou no Litoral Norte no final de semana. Os biólogos conseguiram soltar o animal na terça-feira, mas ela voltou à beira da praia no dia seguinte, provavelmente por estar fraca e debilitada.O veterinário Milton Marcondes conta que o resgate bem sucedido é raro, mas essa operação foi um bom exemplo de como proceder em futuros casos. — A tristeza era nítida no rosto de todos que participaram. Mas ao mesmo tempo todos ficaram satisfeitos porque tudo foi feito. A sensação era de gratificação pelo esforço. Eles conseguiram salvar em um primeiro momento, o que já é uma coisa rara. Cada vez que isso acontece, nós avançamos um pouco em relação a esse tipo de experiência. É uma tristeza, mas um aprendizado para os próximos salvamentos — destacou o pesquisador do Instituto Baleia Jubarte.

nova tentativa





O Batalhão Ambiental da Polícia Militar (PM) gaúcha informou, na manhã desta quinta-feira, que será feita nova tentativa de levar a baleia encalhada em Capão Novo para alto-mar. O procedimento seria semelhante ao já executado na terça-feira.
De acordo com o soldado Elcio Ferrari Fagundes, técnicos e biólogos de Ceclimar, Ibama e Instituto Baleia Jubarte, se reuniram por volta das 9h, para discutir como será feito o novo resgate. Conforme o Batalhão Ambiental, eles acreditam que o animal ainda tem condições de sobreviver se for liberado.

Depois da avaliação minuciosa de veterinários vindos de outros Estados, foi constatado que a baleia jubarte encalhada na praia de Capão Novo está melhor do que se esperava. E uma boa notícia: até as 11h15min deve ser decidido se será feita uma nova tentativa de resgate como a realizada na terça-feira. — Os especialistas viram que ela está mais forte do que se imaginava e que está respondendo bem aos estímulos de reflexo. Viu-se que ela tem bastante força ainda. Começa a se cogitar uma nova tentativa de ajudá-la a ir ao alto-mar, o que ontem foi praticamente descartado — afirmou o biólogo Paulo Henrique Ott, que acompanha as reuniões na beira da praia de Capão Novo. Pela manhã, os profissionais do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar) não estavam muito esperançosos sobre o futuro da jubarte. O biólogo explica que o estado de saúde do animal piorou de domingo, quando encalhou, para hoje, mas que não está em estágio terminal. A jubarte de 25 toneladas e cerca de 11 metros encalhou no Litoral Norte gaúcho no final de semana. Os biólogos conseguiram soltar o animal na terça-feira, mas ela voltou à beira da praia no dia seguinte, provavelmente por estar fraca e debilitada.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

a baleia encalha de novo


Baleia aparece novamente encalhada em Capão Novo, no Litoral Norte
Biólogo do Ceclimar afirma que animal está muito debilitado
Atualizada às 12h29min
Apesar de todo o esforço e da mobilização de biólogos, da Patrulha Ambiental da Brigada Militar e bombeiros, a baleia jubarte que foi desencalhada na tarde ontem apareceu novamente presa ao banco de areia na praia de Capão Novo nesta manhã. Segundo o biólogo Maurício Tavares, do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar), o cetáceo foi visto logo cedo, às 6h. Desta vez, por estar debilitada, a probabilidade de que o animal desencalhe com vida é pequena.— A tentativa de salvar foi feita. O fato de que ela está com a respiração abalada mostra que não há mais nada a ser feito. Mas vamos tentar descobrir porquê ela veio parar em nossa praia em uma espécie de biópsia quando ela vir a óbito — explicou Tavares.De acordo com o Secretário de Obras de Capão da Canoa, Davenir Lima de Lima, a área está fechada pela Patrulha Ambiental desde as 8h. Isso foi feito para que curiosos não entrassem no mar e "estressassem" ainda mais o animal. — Ela está a uns 30 metros da praia. Quase no mesmo local. O problema é que está começando a chegar gente. Já está todo mundo sabendo — explica Lima.Desencalhe de animal com vida é raroSegundo o veterinário e coordenador de pesquisas do Instituto Baleia Jubarte, Milton Marcondes, o último caso de uma baleia jubarte resgatada com vida ocorreu no ano 2000 em Ubatuba (SP). Outros casos foram em 1998 em Florianópolis e em 1992 em Saquarema (RJ).Marcondes chega ao Estado ainda hoje, por volta das 12h, quando irá direto para Capão Novo auxiliar nos procedimentos com a jubarte encalhada. Não está descartada a hipótese de o animal ser sacrificado.— As pessoas não entendem, mas às vezes uma espécie de eutanásia minimiza o sofrimento do bicho — finaliza o biólogo do Ceclimar.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

a baleia ganha alto mar ! !













Uma operação envolvendo a Fepam, o Ceclimar, Corpo de Bombeiros, Petrobras e Batalhão Ambiental da Brigada Militar foi montada para o resgate da baleia jubarte encalhada na praia de Capão

O animal, com cerca de 11 metros e peso superior a 20 toneladas, precisou ser envolvido em uma espécie de cinta, para depois ser puxado. Por duas oportunidades a operação fracassou.O grupo fez uma breve pausa nos trabalhos para elaborar um novo plano. Em seguida, mergulhadores voltaram para dentro da água e conseguiram prender o animal nas embarcações, que fizeram a remoção.Um dos mergulhadores que conseguiu ficar em cima do animal, Renato Schimidt, de 25 anos, relatou a emoção. — Até que deu uma pontinha de medo. Mas a gente ultrapassa pela vontade de ajudar. Senti que ela estava bem calma. Parecia que ela sabia que estávamos querendo ajudar. Não tem preço que pague essa emoção — disse o mergulhador. Assim que se soltou, a baleia movimentou a cauda e as nadadeiras antes de se virar para sair nadando, desorientada em um primeiro momento. A cerca de 200 metros da costa, ainda ficou visível até pelo menos por volta das 18h, sendo acompanhada por uma embarcação para que não voltasse para beira da praia. Pesquisadores do Ceclimar acreditam que ela seguirá sua rota natural em direção ao sul da Bahia.Exames foram encaminhados para um laboratório do Rio de Janeiro e os resultados deverão indicar se a baleia estava doente. Também foi recolhido material para DNA, o que deverá apontar se era macho ou fêmea. A estimativa é que tenha entre 2 e 4 anos de idade. No Brasil, já foram registrados pelo menos três casos parecidos: Florianópolis (SC), Saquarema (RJ) e litoral de São Paulo. Todos os três tiveram sucesso e os animais foram resgatados com vida, segundo o Instituto Baleia Jubarte.
ZEROHORA.COM

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

baleia encalhada


Uma operação para resgatar a baleia que encalhou no litoral norte do Rio Grande do Sul, na noite de sábado (21), está sendo preparada para a manhã desta terça-feira (24). Navios e guindastes devem ser utilizados no serviço, que acontece entre as praias de Capão Novo e Arroio Teixeira. A proposta é construir uma espécie de maca para arrastar o animal, com cerca de 25 toneladas, até a parte mais profunda do mar.

Uma equipe de seis biólogos do Ceclimar (Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e do 1º Batalhão Ambiental da Brigada Militar fez uma avaliação do animal nesta segunda-feira (23). A baleira não pode ser retirada hoje pela falta de equipamentos e de pessoas necessárias para o trabalho.

Segundo o biólogo do Ceclimar, Maurício Tavares, o animal é da espécie jubarte e sua presença é comum no litoral gaúcho. Na tentativa de removê-la, em um primeiro momento, chegou-se a cogitar a possibilidade de utilizar cordas. Porém, pelo peso tornou-se inviável.

- O principal receio é de que essa ação poderia provocar lesões internas.

Tavares explicou ainda que pelas avaliações a baleia deve estar doente. O biólogo destacou que pela avaliação externa mais da metade do corpo do animal está dentro da água.
publicado no correio do povo em 23/08/2010 às 18h03:

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

não é o prédio que tá caindo



Prédio
Apanhador Só
Composição: Alexandre Kumpinski e Diego Grando

Não é o prédio que tá caindo,
são as nuvens que tão passando.

Não sou eu que não tô sorrindo,
é teu olho que, lacrimejando...
É a tua sorte que não tá fluindo,
é o teu norte que tá variando.
Não é o prédio que tá caindo.

Não é o prédio que tá caindo,
são as nuvens que tão passando.

Não sou eu que tô confundindo,
é confundindo que eu vou te explicando.
Te explicando é que não faz sentido,
sentido é o pára que te papapá!

Manobrando premissas sem ver
Que o prédio não tá caindo
Vem, que as nuvens não tão passando

Não sou eu que não tô curtindo,
é teu coro que, desafinando...
Teu compasso que, diminuindo...
É tua mira que tá mosqueando.

Não é o prédio que tá caindo,
São as nuvens que tão passando.
E o meu vô continua vivo.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

hoy no estoy


curta dirigido por Gustavo Taretto, em 2007. Com Martín Piroyansky e Inés Efrón

sábado, 7 de agosto de 2010

plínio no debate da band


Com provocações, ironias e chacotas, o candidato do PSOL à Presidência, Plínio de Arruda Sampaio roubou a cena no primeiro debate nacional na televisão brasileira nas eleições 2010 e ganhou o primeiro lugar nos termos mais comentados no Twitter nesta manhã. Ao chamar José Serra (PSDB) de hipocondríaco, Marina Silva (PV) de ecocapitalista e acusar Dilma Rousseff (PT) de maquiar os números da reforma agrária, Plínio quebrou a polarização entre Dilma e Serra.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

segunda-feira, 26 de julho de 2010

no dia dos avós...ele chegou....


o dudu chegou com 3 quilos e 800 e 48 centímetros e meio.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

imagine project-herbie hancock


Herbie Hancock Imagine Project é uma gravação inédita internacionais e projeto de filme com colaborações entre a lenda da música, Herbie Hancock e uma dúzia de estrelas de todas as regiões do planeta. Imagine Project incorpora uma linha extraordinária de estrelas internacionais de todos os cantos do mundo. Dave Matthews, Anoushka Shankar, Jeff Beck, The Chieftains, John Legend, India Arie, Seal, Pink, Juanes, Derek Trucks, Susan Tedeschi, Chaka Khan, K'Naan, Wayne Shorter, James Morrison, and Lisa Hannigan. O álbum e o filme estão como testamento poderoso para os objetivos da paz mundial, a humanidade e tolerância, e respeito pelo nosso planeta, mas o projeto Imagine permanecera em sua essência, como conteúdo de entretenimento ,criativo e profundamente emocional.
http://www.herbiehancock.com

quinta-feira, 15 de julho de 2010

neve em mar del plata




http://www.sabermenos.com.ar/

segunda-feira, 12 de julho de 2010

sexta-feira, 9 de julho de 2010

enquanto a final não chega...





Rogério Ceni, aliado ao marketing tricolor juntamente com a Paola da Vinci, uma das mais tradicionais e respeitadas marcas para o público infantil, lançou uma coleção de mantinhos sagrados que vão desde os bebezinhos (kit com body, bolinha e touquinha) até os mais crescidos. Para as meninas, a marca desenvolveu uma linha especial, com a assinatura do maior goleiro do Brasil em cristal. As imagens ao lado são apenas alguns exemplos de produtos da coleção.

http://www.paoladavinci.com.br/blog/?p=273

sexta-feira, 2 de julho de 2010

uruguay nomá !


volveremos volveremos
volveremos otra vez
volveremos a ser campeones
como la primera vez

quarta-feira, 23 de junho de 2010

sexta-feira, 18 de junho de 2010

saramago


José de Sousa Saramago (Azinhaga, Golegã, 16 de Novembro de 1922 — Lanzarote, 18 de Junho de 2010) foi um escritor, argumentista, jornalista, dramaturgo, contista, romancista e poeta português.

Foi galardoado com o Nobel de Literatura de 1998. Também ganhou o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa. Saramago é considerado o responsável pelo efectivo reconhecimento internacional da prosa em língua portuguesa.[1]

O seu livro Ensaio Sobre a Cegueira foi adaptado para o cinema e lançado em 2008, produzido no Japão, Brasil e Canadá, dirigido por Fernando Meirelles (realizador de O Jardineiro Fiel e Cidade de Deus). Em 2010 o realizador português António Ferreira adapta um conto retirado do livro Objecto Quase, conto esse que viria dar nome ao filme Embargo, uma produção portuguesa em co-produção com o Brasil e Espanha.

Nasceu na província do Ribatejo, no dia 16 de Novembro, embora o registo oficial apresente o dia 18 como o do seu nascimento. Saramago, conhecido pelo seu ateísmo e iberismo, é membro do Partido Comunista Português e foi director do Diário de Notícias. Juntamente com Luiz Francisco Rebello, Armindo Magalhães, Manuel da Fonseca e Urbano Tavares Rodrigues foi, em 1992, um dos fundadores da Frente Nacional para a Defesa da Cultura (FNDC). Casado com a espanhola Pilar del Río, Saramago viveu em Lanzarote, nas Ilhas Canárias.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

férias


Se procurar bem você acaba encontrando.Não a explicação (duvidosa) da vida,Mas a poesia (inexplicável) da vida.
Carlos Drummond de Andrade













terça-feira, 1 de junho de 2010

kiss


Contam que um grande líder político, sempre que queria falar, costumava prolongar-se e prolongar-se, sem terminar, mas, sempre que sua esposa estava presente, a fala dele era muito curta e suave.Seu secretário era perfeitamente capaz de entender do que se tratava: quando a esposa estava presente, ele tinha medo. Assim, não havia curiosidade a respeito disso, mas sobre uma coisa ele tinha grande curiosidade. Antes de o líder começar a falar, a esposa sempre enviava uma pequena nota pelo secretário. Era sempre assim.Um dia, só por curiosidade, ele olhou para a nota. Não havia muito — só uma única palavra: KISS ("beijo", em inglês). Ele pensou: "Ela o ama tanto, sempre envia uma nota dizendo 'KISS' antes que ele inicie!"De modo que, certo dia, quando se encontrou sozinho com o líder, ele disse: "O senhor tem uma esposa muito interessante! Vive com ela há trinta anos, e ela ainda é tão romântica — toda vez que você fala, ela envia uma nota dizendo 'KISS'".Mas o político ficou muito triste e disse: "Você não entende. É uma palavra em código: ela significa 'Keep It Short, Stupid' (Fale Pouco, Estúpido)".

sábado, 29 de maio de 2010

Morre aos 74 anos o ator e diretor Dennis Hopper, de 'Easy rider'

O ator e diretor de cinema americano Dennis Hopper morreu neste sábado (29), aos 74 anos, segundo um amigo da família citado pela agência Reuters e segundo sua produtora.

Ele morreu cercado de parentes, em sua casa em Venice, subúrbio de Los Angeles, às 8h15 locais (12h15 de Brasília), segundo Alex Hitz, amigo do ator e diretor de 'Easy Rider'.

Ele sofria de câncer na próstata fazia tempo e morreu de complicações decorrentes da doença.

Obra
Hopper dirigiu e atuou em 'Easy rider' (Sem destino, na tradução brasileira), de 1969, um road movie considerado sua obra-prima.

Hopper teve uma carreira variada, que durou mais de 50 anos. Ele surgiu ao lado de James Dean em "Rebelde sem causa" e "Assim caminha a humanidade", nos anos 1950. Também atuou em "Apocalypse now", de Francis Ford Coppola e "Veludo azul", de David Lynch.

Ele recebeu duas nomeações para o Oscar: pelo roteiro de "Easy rider", e por uma atuação como um técnico de basquete alcoólatra em "Hoosiers", de 1986.

Segundo a crítica, "Easy rider" mudou a história do cinema americano, ao abrir caminho nos anos 1970 para uma nova geração de diretores em Hollywood, como Coppola e Martin Scorsese.