sexta-feira, 26 de março de 2010

26 de Março - Aniversário de Porto Alegre



Pelo centro da cidade circulam por dia ao redor de 500 mil pessoas. O mesmo centro que abriga a Praça da Matriz e congrega o Tribunal de Justiça, a catedral metropolitana, o parlamento e o Palácio Piratini, sede do executivo estadual. A arquitetura dos prédios, inspirada em padrões europeus, também é ressaltada. O coração da cidade bombeia cultura, explícita nas mais variadas formas. A praça da Matriz também abriga o Theatro São Pedro, um dos orgulhos da cidade, em estilo barroco português e uma pequena platéia em forma de ferradura. Há quem diga que é o teatro mais bonito do Brasil. Como exemplo de estilo neoclássico, os porto-alegrenses exibem a Biblioteca Pública, com seu Salão Mourisco, ricamente decorado. Bem perto dali, todas as primaveras, na rua dos Andradas, acontece a Feira do Livro que lota o centro da capital que menos tem analfabetos no Brasil, e onde a venda de livros é a maior entre as capitais do país. Sem falar da Casa de Cultura Mário Quintana, com cinema, teatro, sala de exposições e o Café Concerto, na cúpula do antigo Hotel Majestic. Tem também o Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo e a escadaria da Igreja Nossa Senhora das Dores.Porto Alegre, de fato, esbanja charme. Não apenas pelos seus habiantes que receberam influências das mais diversas imigrações, (principalmente do norte da Itália, da Alemanha e dos países platinos), mas também porque se veste de cores novas a cada estação do ano. Pétalas de ipês, jacarandás e flamboaiãs compõem verdadeiros tapetes naturais nas ruas e calçadas. Não é à toa que a cidade é considerada a mais arborizada do Brasil, com 700 mil árvores em vias públicas. Para se ter uma ideia, há aproximadamente 17 metros quadrados de área verde para cada habitante. Porto Alegre também ganha vida ao ar livre nas praças e parques, nas conversas descontraídas e no inseparável chimarrão de domingo no parque da Redenção - na verdade, Parque Farroupilha. Os 40 hectares de área do espaço formam o mais antigo e popular ponto de encontro da cidade. Aos sábados recebe a Feira Ecológica e aos domingos, o Brique da Redenção, com suas barracas de artesanato, artes plásticas, antiguidades, alimentação e manifestações culturais. E o pôr-do-sol, ícone da cidade, pode ser apreciado ao longo de 15 quilômetros que separam a Usina do Gasômetro, no Centro da Cidade, do Calçadão da Praia de Ipanema, na Zona Sul. Porto Alegre está de aniversário, completando mais de 200 anos de história. E como é difícil, diante dessa data de tamanha importância, definir em palavras as emoções de ver, sentir e ouvir tudo que nossa “POA” tem a dizer. Ou seria possível descrever a pintura formada no lago Guaíba, com os últimos raios de sol? Relatar a experiência de ouvir o grito das torcidas de Grêmio ou Internacional em dia de clássico do nosso futebol? Não. Impossível. O “porto dos casais” nasceu mesmo é para ser vivido!
O Mapa(Mário Quintana)
Olho o mapa da cidade
Como quem examinasse
A anatomia de um corpo...
(É nem que fosse meu corpo!)
Sinto uma dor esquisita
Das ruas de Porto Alegre
onde jamais passarei...
Há tanta esquina esquisita
Tanta nuança de paredes
Há tanta moça bonita
Nas ruas que não andei
(E há uma rua encantada
Que nem em sonhos sonhei...)
Quando eu for, um dia desses,
Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada
Invisível, delicioso
Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar
Suave mistério amoroso
Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)
E talvez de meu repouso...

Nenhum comentário:

Postar um comentário