quinta-feira, 26 de agosto de 2010

morre baleia




Apesar das tentativas, não foi possível salvar a baleia jubarte, que esteve encalhada desde domingo em Capão Novo, no litoral norte gaúcho. O animal havia sido solto na terça-feira. no dia seguinte, voltou a encalhar na praia com estado de saúde debilitado. A morte foi confirmada no início da noite desta quinta-feira por biólogos do Ceclimar.O corpo será retirado da água nas próximas horas.Amanhã será coletado material para análise,o que deve ajudar a apontar a causa.
Jubarte deve ser enterrada na beira da praia de Capão Novo
Ossada da baleia ficará com a equipe do Ceclimar
O corpo da baleia jubarte, que morreu encalhada na praia de Capão Novo, passará a noite dentro do mar. Por volta das 7h desta sexta-feira, uma retroescavadeira da prefeitura de Capão da Canoa será usada para puxar o animal até um ponto na areia, onde será realizada necropsia. A análise deverá ajudar a identificar a causa da morte e o motivo que fez com que a jubarte ficasse presa nesse ponto do litoral gaúcho. Segundo o coordenador do centro de pesquisas do Instituto Baleia Jubarte, Milton Marcondes, ao mesmo tempo em que o corpo for sendo cortado, as equipes irão enterrar as partes em uma área na areia além da linha da maré, em buracos bastante profundos, para que não haja risco de contaminação. O veterinário salienta que a ossada será preservada. — O pessoal do Ceclimar pediu para ficar com a ossada, para depois montar o esqueleto. A carcaça ficará dentro do mar até a manhã de sexta por causa da temperatura da água, que ajuda na preservação. E o procedimento será de ir cortando o corpo para necropsia, enquanto as partes serão enterradas na areia — explicou Marcondes. De acordo com o veterinário, a morte da baleia jubarte foi confirmada por volta das 18h. Mesmo depois do anúncio, cerca de meia hora antes, as equipes ainda ficaram verificando os sinais vitais. — Nós percebemos que ela parou de respirar. Mas a baleia, dentro da água, chega a ficar até 15 minutos nessa condição. Então eu tive que me aproximar da cabeça e fazer um teste encostando a mão no olho da baleia. Depois que constatamos que não havia reflexo, fechando ou mexendo o olho, eu tive certeza que havia morrido — relatou Milton Marcondes. Tristeza e aprendizadoAs operações para tentar salvar a baleia mobilizaram equipes de diversos órgãos ambientais, pesquisadores, estudantes e populares. A jubarte de 25 toneladas e cerca de 11 metros encalhou no Litoral Norte no final de semana. Os biólogos conseguiram soltar o animal na terça-feira, mas ela voltou à beira da praia no dia seguinte, provavelmente por estar fraca e debilitada.O veterinário Milton Marcondes conta que o resgate bem sucedido é raro, mas essa operação foi um bom exemplo de como proceder em futuros casos. — A tristeza era nítida no rosto de todos que participaram. Mas ao mesmo tempo todos ficaram satisfeitos porque tudo foi feito. A sensação era de gratificação pelo esforço. Eles conseguiram salvar em um primeiro momento, o que já é uma coisa rara. Cada vez que isso acontece, nós avançamos um pouco em relação a esse tipo de experiência. É uma tristeza, mas um aprendizado para os próximos salvamentos — destacou o pesquisador do Instituto Baleia Jubarte.

nova tentativa





O Batalhão Ambiental da Polícia Militar (PM) gaúcha informou, na manhã desta quinta-feira, que será feita nova tentativa de levar a baleia encalhada em Capão Novo para alto-mar. O procedimento seria semelhante ao já executado na terça-feira.
De acordo com o soldado Elcio Ferrari Fagundes, técnicos e biólogos de Ceclimar, Ibama e Instituto Baleia Jubarte, se reuniram por volta das 9h, para discutir como será feito o novo resgate. Conforme o Batalhão Ambiental, eles acreditam que o animal ainda tem condições de sobreviver se for liberado.

Depois da avaliação minuciosa de veterinários vindos de outros Estados, foi constatado que a baleia jubarte encalhada na praia de Capão Novo está melhor do que se esperava. E uma boa notícia: até as 11h15min deve ser decidido se será feita uma nova tentativa de resgate como a realizada na terça-feira. — Os especialistas viram que ela está mais forte do que se imaginava e que está respondendo bem aos estímulos de reflexo. Viu-se que ela tem bastante força ainda. Começa a se cogitar uma nova tentativa de ajudá-la a ir ao alto-mar, o que ontem foi praticamente descartado — afirmou o biólogo Paulo Henrique Ott, que acompanha as reuniões na beira da praia de Capão Novo. Pela manhã, os profissionais do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar) não estavam muito esperançosos sobre o futuro da jubarte. O biólogo explica que o estado de saúde do animal piorou de domingo, quando encalhou, para hoje, mas que não está em estágio terminal. A jubarte de 25 toneladas e cerca de 11 metros encalhou no Litoral Norte gaúcho no final de semana. Os biólogos conseguiram soltar o animal na terça-feira, mas ela voltou à beira da praia no dia seguinte, provavelmente por estar fraca e debilitada.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

a baleia encalha de novo


Baleia aparece novamente encalhada em Capão Novo, no Litoral Norte
Biólogo do Ceclimar afirma que animal está muito debilitado
Atualizada às 12h29min
Apesar de todo o esforço e da mobilização de biólogos, da Patrulha Ambiental da Brigada Militar e bombeiros, a baleia jubarte que foi desencalhada na tarde ontem apareceu novamente presa ao banco de areia na praia de Capão Novo nesta manhã. Segundo o biólogo Maurício Tavares, do Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos (Ceclimar), o cetáceo foi visto logo cedo, às 6h. Desta vez, por estar debilitada, a probabilidade de que o animal desencalhe com vida é pequena.— A tentativa de salvar foi feita. O fato de que ela está com a respiração abalada mostra que não há mais nada a ser feito. Mas vamos tentar descobrir porquê ela veio parar em nossa praia em uma espécie de biópsia quando ela vir a óbito — explicou Tavares.De acordo com o Secretário de Obras de Capão da Canoa, Davenir Lima de Lima, a área está fechada pela Patrulha Ambiental desde as 8h. Isso foi feito para que curiosos não entrassem no mar e "estressassem" ainda mais o animal. — Ela está a uns 30 metros da praia. Quase no mesmo local. O problema é que está começando a chegar gente. Já está todo mundo sabendo — explica Lima.Desencalhe de animal com vida é raroSegundo o veterinário e coordenador de pesquisas do Instituto Baleia Jubarte, Milton Marcondes, o último caso de uma baleia jubarte resgatada com vida ocorreu no ano 2000 em Ubatuba (SP). Outros casos foram em 1998 em Florianópolis e em 1992 em Saquarema (RJ).Marcondes chega ao Estado ainda hoje, por volta das 12h, quando irá direto para Capão Novo auxiliar nos procedimentos com a jubarte encalhada. Não está descartada a hipótese de o animal ser sacrificado.— As pessoas não entendem, mas às vezes uma espécie de eutanásia minimiza o sofrimento do bicho — finaliza o biólogo do Ceclimar.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

a baleia ganha alto mar ! !













Uma operação envolvendo a Fepam, o Ceclimar, Corpo de Bombeiros, Petrobras e Batalhão Ambiental da Brigada Militar foi montada para o resgate da baleia jubarte encalhada na praia de Capão

O animal, com cerca de 11 metros e peso superior a 20 toneladas, precisou ser envolvido em uma espécie de cinta, para depois ser puxado. Por duas oportunidades a operação fracassou.O grupo fez uma breve pausa nos trabalhos para elaborar um novo plano. Em seguida, mergulhadores voltaram para dentro da água e conseguiram prender o animal nas embarcações, que fizeram a remoção.Um dos mergulhadores que conseguiu ficar em cima do animal, Renato Schimidt, de 25 anos, relatou a emoção. — Até que deu uma pontinha de medo. Mas a gente ultrapassa pela vontade de ajudar. Senti que ela estava bem calma. Parecia que ela sabia que estávamos querendo ajudar. Não tem preço que pague essa emoção — disse o mergulhador. Assim que se soltou, a baleia movimentou a cauda e as nadadeiras antes de se virar para sair nadando, desorientada em um primeiro momento. A cerca de 200 metros da costa, ainda ficou visível até pelo menos por volta das 18h, sendo acompanhada por uma embarcação para que não voltasse para beira da praia. Pesquisadores do Ceclimar acreditam que ela seguirá sua rota natural em direção ao sul da Bahia.Exames foram encaminhados para um laboratório do Rio de Janeiro e os resultados deverão indicar se a baleia estava doente. Também foi recolhido material para DNA, o que deverá apontar se era macho ou fêmea. A estimativa é que tenha entre 2 e 4 anos de idade. No Brasil, já foram registrados pelo menos três casos parecidos: Florianópolis (SC), Saquarema (RJ) e litoral de São Paulo. Todos os três tiveram sucesso e os animais foram resgatados com vida, segundo o Instituto Baleia Jubarte.
ZEROHORA.COM

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

baleia encalhada


Uma operação para resgatar a baleia que encalhou no litoral norte do Rio Grande do Sul, na noite de sábado (21), está sendo preparada para a manhã desta terça-feira (24). Navios e guindastes devem ser utilizados no serviço, que acontece entre as praias de Capão Novo e Arroio Teixeira. A proposta é construir uma espécie de maca para arrastar o animal, com cerca de 25 toneladas, até a parte mais profunda do mar.

Uma equipe de seis biólogos do Ceclimar (Centro de Estudos Costeiros, Limnológicos e Marinhos) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e do 1º Batalhão Ambiental da Brigada Militar fez uma avaliação do animal nesta segunda-feira (23). A baleira não pode ser retirada hoje pela falta de equipamentos e de pessoas necessárias para o trabalho.

Segundo o biólogo do Ceclimar, Maurício Tavares, o animal é da espécie jubarte e sua presença é comum no litoral gaúcho. Na tentativa de removê-la, em um primeiro momento, chegou-se a cogitar a possibilidade de utilizar cordas. Porém, pelo peso tornou-se inviável.

- O principal receio é de que essa ação poderia provocar lesões internas.

Tavares explicou ainda que pelas avaliações a baleia deve estar doente. O biólogo destacou que pela avaliação externa mais da metade do corpo do animal está dentro da água.
publicado no correio do povo em 23/08/2010 às 18h03:

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

não é o prédio que tá caindo



Prédio
Apanhador Só
Composição: Alexandre Kumpinski e Diego Grando

Não é o prédio que tá caindo,
são as nuvens que tão passando.

Não sou eu que não tô sorrindo,
é teu olho que, lacrimejando...
É a tua sorte que não tá fluindo,
é o teu norte que tá variando.
Não é o prédio que tá caindo.

Não é o prédio que tá caindo,
são as nuvens que tão passando.

Não sou eu que tô confundindo,
é confundindo que eu vou te explicando.
Te explicando é que não faz sentido,
sentido é o pára que te papapá!

Manobrando premissas sem ver
Que o prédio não tá caindo
Vem, que as nuvens não tão passando

Não sou eu que não tô curtindo,
é teu coro que, desafinando...
Teu compasso que, diminuindo...
É tua mira que tá mosqueando.

Não é o prédio que tá caindo,
São as nuvens que tão passando.
E o meu vô continua vivo.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

hoy no estoy


curta dirigido por Gustavo Taretto, em 2007. Com Martín Piroyansky e Inés Efrón

sábado, 7 de agosto de 2010

plínio no debate da band


Com provocações, ironias e chacotas, o candidato do PSOL à Presidência, Plínio de Arruda Sampaio roubou a cena no primeiro debate nacional na televisão brasileira nas eleições 2010 e ganhou o primeiro lugar nos termos mais comentados no Twitter nesta manhã. Ao chamar José Serra (PSDB) de hipocondríaco, Marina Silva (PV) de ecocapitalista e acusar Dilma Rousseff (PT) de maquiar os números da reforma agrária, Plínio quebrou a polarização entre Dilma e Serra.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010