terça-feira, 31 de maio de 2011

Semana do Meio Ambiente: “Plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho”

Existe um dito popular que diz que a vida de uma pessoa só é completa após fazer três coisas: plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho. Como “a ordem dos fatores não altera o produto”, não importa a sequência das ações, desde que elas sejam colocadas em prática.A Semana do Meio Ambiente é um bom momento para refletir sobre esse assunto. Mesmo que esses não sejam os ideais de vida de muitas pessoas é preciso assumir que são três coisas que podem ser colocadas em prática por qualquer um que esteja preocupado com o futuro. Além disso, por mais que somente um deles esteja diretamente relacionado ao meio ambiente, todos podem estar ligados à natureza.Plantar uma árvore é a mais fácil dessas tarefas, leva menos de vinte minutos e traz frutos por até centenas de anos. No entanto, essa também é a atividade menos colocada em prática pela maioria das pessoas. Normalmente ofuscado pela correria do dia a dia, o plantio de uma árvore fica em segundo, terceiro ou às vezes nem entra nos planos.Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU) a população mundial atual é de sete bilhões de pessoas, se cada uma delas embarcasse nesta onda “verde” ou cumprisse pelo menos este item da “trilogia da vida”, seriam mais sete bilhões de árvores plantadas, para reduzir, mesmo que parcialmente, o impacto que a humanidade causa no planeta.Escrever um livro e ter um filho são as duas coisas que completam a lista e estão intimamente ligadas ao que nós deixaremos para o mundo. Não é somente a árvore que rende frutos no futuro, mas principalmente a educação e o exemplo de vida, que mostram na prática o que é buscar um futuro melhor.Um filho é um dos maiores espetáculos que a natureza pode proporcionar, para retribuir essa dádiva da vida, não existe maneira melhor do que deixar bons filhos, ou bons frutos, para o futuro. Educação e conscientização ambiental e social são imprescindíveis para que esse objetivo seja alcançado.O livro, talvez seja uma das tarefas mais difíceis para algumas pessoas, menos familiarizadas com as artes literárias, porém esse não precisa ser um problema no caminho. O dito popular não diz que é preciso plantar uma árvore, ter um filho e escrever um “Best Seller”. Assim, se o livro for a última prática do pacote, ele pode justamente narrar as experiências tidas com as duas tarefas anteriores, finalizando assim um ciclo perfeito de vida.

Por Thaís Teisen - Redação CicloVivo    http://www.ciclovivo.com.br/

quinta-feira, 26 de maio de 2011

sacolas plásticas

Proibição das sacolas plásticas faz consumidor pensar em alternativas sustentáveis

A sanção da legislação que proíbe a distribuição gratuita de sacolas plásticas nos comércios de São Paulo, assinada na última semana pelo prefeito Gilberto Kassab, levantou polêmica entre os sindicatos da indústria plástica e em parte dos usuários.




Apesar de ter sido muito comemorada pelos ambientalistas e consumidores preocupados com o futuro do planeta e os impactos ambientais gerados pelas sacolas plásticas, a decisão levantou questionamentos sobre quais seriam as alternativas às tradicionais sacolas plásticas.



Existem algumas opções como as sacolas feitas com plástico reciclado ou de origem vegetal. Mesmo assim, o consumidor pode optar por alternativas que resultem em menos resíduos descartados nos aterros, que são as ecobags e até mesmo o reaproveitamento de caixas de papelão disponibilizadas pelo próprio estabelecimento comercial.



Uma dúvida frequente entre os consumidores é em relação à reutilização das sacolas plásticas para o descarte de lixo. Assim que a proibição foi divulgada, muitas pessoas se manifestaram alegando que as sacolas não eram simplesmente descartadas, mas ganhavam outra utilidade. No entanto, até para essa função das sacolas plásticas existem alternativas mais verdes, já que as sacolas plásticas levam centenas de anos para se decompor.



O saquinho feito de jornal, ensinado pela blogueira Juliana Valentini é uma das opções, que se destaca porque evita o uso do plástico e ainda reaproveita os jornais que são descartados diariamente. O mesmo pode ser feito através da reutilização das sacolas de papelão, que são ótimas para armazenar os resíduos.



Seguindo esse mesmo raciocínio, aliando-o à reciclagem, as caixas, sejam elas de papelão ou não, podem servir apenas de reservatório temporário dos resíduos recicláveis, assim quando os materiais forem encaminhados à reciclagem, eles podem ser simplesmente depositados nos reservatórios adequados e as caixas serem usadas novamente.



Em declaração à Rede Globo, o governador de São Paulo, Geraldo Alckimin, explicou que o intuito da legislação é “criar uma cultura de ir substituindo um saco que não é biodegradável, que leva de cem a 300 anos para ser incorporado no solo, que tem causado enchentes nas grandes cidades, por outra alternativa, de preferência retornável. Para isso tem tempo, vão ter campanhas e estímulos”.

http://www.ciclovivo.com.br/

segunda-feira, 23 de maio de 2011

sinuca de bico

Sinuca de Bico. O quinteto formado por Leonardo Boff (teclado e voz), Gilberto Junior (guitarra e voz), Diego Silveira (bateria, percussão e voz), Everton Velásquez (baixo e voz) e Maurício Nader (guitarras, sopros, voz. Quem hoje em dia não está numa sinuca de bico? Essa expressão foi criada para definir uma situação onde o jogador de sinuca encontra-se sem saída,bloqueado pelo bico da caçapa e impedido de acertar a bola da vez. Com o tempo,virou uma expressão que aplica-se ao cotidiano. A música chegou a um ponto onde praticamente tudo foi feito, e você é músico? Esta é a "sinuca de bico" que nos encontramos. A banda mescla influências aparentemente heterogêneas como Jackson do pandeiro,Tom Jobim,Sly and the Family stone, Jimi Hendrix,Tamba Trio e grupos vocais dos anos 60,como os Cariocas,criando uma sonoridade particular para o trabalho. Originária de Porto Alegre,é formada por músicos atuantes no cenário nacional desde o início da década de 90 e que vêm tocando juntos em outros trabalhos desde 1998.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

oh! my god!

http://youtu.be/nnyKkA05nYw
Praça de alimentação do shopping Sherman Oaks Galleria, em Los Angeles (Califórnia, EUA). Lotada. Um sujeito contrata um violonista e se aproxima da namorada, exatamente no local onde eles se conheceram. O músico toca "Sweet Caroline", canção clássica de Neil Diamond. O romântico se declara à amada, diz o quanto a ama e, de joelhos, propõe casamento.

"Nós nos conhecemos aqui em frente a este Cinnabon", começa.

"Fiquei inebriado com a sua presença, Caroline. Amo tudo em você. Adoro como você se deita ao me lado no sofá e ronrona como uma gatinha", continua.

"Faça de mim o homem mais feliz e inebriado do mundo", pede o romântico.

Bem, a história não acabou bem.

"O que você está fazendo?", indaga a amada, em choque.

Caroline disse "não" ao namorado. Ela disparou um "não". E se foi. O sujeito acabou consolado pelo "público", que acompanhava a "novela".

"Foi brutal (o que Caroline fizera). Está tudo bem, cara, está tudo bem", repetem as pessoas solidárias com o Romeu desapontado.

A história foi filmada por um cliente do shopping e postada no YouTube, segundo o "Daily Mail":