sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

a pele que habito

 Pedro Almodóvar, se lança candidato ao rótulo de mais brasileiro dos cineastas espanhóis. Não por causa da sua obsessiva admiração pelo Brasil, especialmente pela MPB, mas por sua conduta assumidamente antropofágica – no sentido que Oswald de Andrade atribuía à palavra. Desta vez, ele nos induz a devorar iguarias das mais diversas e disparatadas, algumas até meio indigestas. O primeiro prato ofertado é um clima de ficção científica, com Antonio Banderas dando tudo de si no papel de um cirurgião plástico, em pausadas sequencias que parecem os velhos pseudo-documentários de Jean Manzon. Com a dignidade aparente de Montgomery Clift em “Freud Além da Alma” (John Huston, 1962), Banderas passa pelas costumeiras cenas de conferência na universidade e detalhes de um laboratório high tec, onde ele fabrica uma pele humana transgênica desenvolvida a partir do couro de porco.
Por trás disso já se insinua como prato principal o sarcasmo servido ao molho de ironia, tão própria do diretor ao armar anedotas e reviravoltas que só farão sentido na segunda parte do filme. Só aí será possível perceber o verdadeiro sabor de algo que, sem saber, estávamos mastigando desde o início. Da mesma maneira, para não estragar surpresas, diremos apenas que o roteiro trabalha com os limites da ciência e da ética em relação à transexualidade e a transgênese. Nesse ponto, o banquete vai ficando sombrio, enquanto vemos que o brilho e a limpeza no mundo exterior do médico é apenas uma couraça apolínea para esconder o seu espaço interior, cheio de ódios e desejos recalcados.
Os film-noir dos anos 1940 se aprofundavam nessa contradição, mas saíram de moda antes que os cineastas pudessem atingir os abismos mais secretos da alma humana. É justamente o que pretende fazer Almodóvar, acrescentando mais temperos ao caldeirão. Ele abocanha e engole referências da literatura clássica e gótica, imaginando uma integração de um mito do tempo antigo (Pigmalião) com uma lenda moderna (Frankenstein), num enredo que esbarra em figuras-chave do romantismo como o Conde de Monte Cristo e o Máscara de Ferro. Logo de início se percebe que o personagem de Banderas é mais monstro do que médico, porque há anos mantém uma bela mulher presa em sua clínica – alguém que, depois de retiradas as ataduras do rosto, se mostra idêntica à esposa do cirurgião, morta num acidente. Para não enlouquecer naquela prisão aparentemente elegante, ela pratica yoga no estilo Ayengar que aprende pela TV e recusa as doses de ópio que o dono da casa lhe oferece – mostrando que está empenhada em adquirir autocontrole e equilíbrio.
Em geral os professores de roteiro desaconselham os flashbacks por interromperem o fluxo da narrativa. Mas Almodóvar está cima das técnicas de redação e a trama central vai se revelando por meio de dois flashbacks orquestrados com mão de mestre. O primeiro deles desperta o interesse para o segundo, como se fossem dois capítulos de novela, ainda que cada um dos dois seja construído a partir do ponto de vista de personagens diferentes. Em sua espinha dorsal, o roteiro adota uma estrutura de filme de horror e suspense. Na verdade, porém, o repertório desses gêneros serve de material básico para este pot-pourri, ou melhor, dessa paella de paródias preparada por Almodóvar. Por exemplo: por meio do melodrama, ele brinca com o humor de Hitchcock, devolvendo-lhe uma piada – ao inverter a própria inversão estilística de “Psicose” (1960), pela qual o assassino se transforma em protagonista.
E desta vez, não apenas ouvimos uma canção brasileira incorporada à trama, mas a adoção do nome Vera Cruz para designar a prisioneira e a ação de um personagem nascido no Brasil. Trata-se de um bandido que cresceu numa favela e é interpretado por um ator se esforçando para falar espanhol com sotaque carioca. Outro dado curioso é a obscura canção chamada Pelo Amor, cantada num português incompreensível. Ela foi tirada de “Os Bandeirantes”, um filme praticamente desconhecido que Marcel Camus fez no Brasil dois anos depois de “Orfeu Negro”. Junto com a desconcertante surpresa final, eis a sobremesa nesta comilança antropofágica de Almodóvar.
A PELE QUE HABITO
La piel que habito
Espanha, 2011, 133 min, 16 anos
estreia 04 11 2011
gênero drama / fantasia / suspenseDistribuição Paris filmes
Direção Pedro Almodóvar
Com Antonio Banderas, Elena Anaya,
Marisa Paredes, Jean Cornet

Nenhum comentário:

Postar um comentário